Profª. Adriana Calvo - Direito do Trabalho
ÁREA RESTRITA A ALUNOS
Facebook
Twitter
Youtube
Busca

Notícias

Sugerir bigode raspado é norma de higiene, não discriminação
21/01/2009
Arquivo Notícias
Para a 5ª Vara do Trabalho de Santos (SP), não sofre dano moral o empregado que é incentivado a raspar o bigode para atender normas de higiene da empresa. O entendimento foi firmado no julgamento do processo trabalhista movido por um ex-empregado da Caramuru Alimentos Ltda.

De acordo com informações do TRT, o reclamante, que atuava no setor de almoxarifado e compras da empresa, foi demitido sem justa causa. Por entender que sua dispensa foi discriminatória e ocasionada pela recusa de raspar o bigode, ele entrou com a ação trabalhista pedindo indenização de R$ 30 mil.

O ex-empregado afirmou que não mantinha contato com alimentos. Segundo ele, a exigência surgiu a partir da adoção de sistema de controle de qualidade, cuja finalidade era comercializar produtos "sem pelos, sem penas, ou qualquer material que fosse estranho". Como não aceitou raspar seu bigode, passou a se sentir discriminado.

A Caramuru contestou a informação do reclamante e informou que, quando o ex-empregado foi admitido, ele já tinha bigode. A empresa sustentou que "não existe nenhum programa de controle de qualidade que exija a raspagem de pelos aos empregados", que somente promoveu "seminário com palestras relativas a necessidade de manutenção de higiene pessoal e bigode aparado pelos empregados" e que não houve represália contra o reclamante.

Segundo a empresa, o trabalhador foi dispensado, sem justa causa, "pois era de difícil relacionamento e por ter se recusado a ser transferido para o escritório, para desenvolver atividades que eram necessárias".

De acordo com a juíza Danielle Santiago Ferreira da Rocha, "as provas juntadas aos autos, quer documentais, quer orais, não demonstram a veracidade dos fatos afirmados pelo reclamante".
Para ela, documento juntado ao processo "demonstra, tão somente, orientação passada pela ré a todos os empregados e relativas a normas de higiene. De forma alguma, demonstram conduta discriminatória adotada pela mesma".

A juíza Danielle Santiago indeferiu o pedido de indenização por danos morais.
Fonte: Última Instância
Calvo e Fragoas Advogados
MATRIZ
Edifício Metrópolis
Itapecuru 645 - sala 1325
Alphaville Industrial Barueri SP CEP 06454-080
Tel: 11 4195-8130
FILIAL
Av. Paulista 726, 17º Andar, Cj. 1707-D
Bela Vista São Paulo SP CEP 01310-910
Tel: 11 3254-7516
Fax: 11 3254-7628
Powered By Vexxo